Crônicas de um rio: a paisagem de um imaginário coletivo e imagens de memória

Heloisa Juncklaus Preis Moraes, Mário Abel Bressan Júnior, Luiza Liene Bressan

Resumen


Tubarão, no estado de Santa Catarina, sul do Brasil, é uma cidade cortada por um rio que a divide em duas margens. Além de formar uma paisagem física, forma uma paisagem simbólica pregnante no imaginário social local especialmente pela tragédia de uma grande enchente no ano de 1974 que mobiliza o cotidiano das pessoas até os dias de hoje (Moraes e Máximo, 2016). Neste artigo, temos como objeto uma obra literária local em que buscamos seu sentido amplo através da recorrência de imagens presentes no imaginário e expressas nas narrativas. Como objeto de análise, apresentamos Rio Tubarão: no curso da alma (Mussi, 2015), composto por crônicas sobre o rio e, através da análise mitoestilística, com o levantamento de imagens pregnantes e recorrentes, buscamos discutir o que chamamos de a paisagem de um imaginário coletivo e imagens de memória. Assim, reforçamos os debates sobre imaginário e memória, especialmente em relação aos laços de pertencimento e identidade. Procuramos marcas que nos permitam identificar, na obra literária, uma paisagem imaginada que se coloca como arquivo coletivo na medida de suas recorrências. Acreditamos que o universo imaginário da obra, como uma produção local que expressa o cotidiano, vem ao encontro do próprio imaginário da coletividade, contribuindo para a sua potência de identificação.


Palabras clave


Crônicas; Imaginário; Memória; Rio Tubarão

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Cachinho, H. (2006). Consumactor: da condição do indivíduo na sociedade pós-moderna. Finisterra, Lisboa, XLI, 81, 33-56.

Candido, A. (2008). Literatura e sociedade. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul.

Candido, A. (2011). O direito à literatura. In: Candido, A. Vários escritos (5.ed). Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul.

Cassirer, E. (1994). Ensaio sobre o Homem: introdução a uma filosofiada cultura humana. São Paulo: Martins Fontes.

Durand, G. (2012). As estruturas antropológicas do imaginário (4.ed). Trad. de Helder Godinho. São Paulo: Martins e Fontes.

Durand, Y. (1988). L’exploration de I’maginaire. Introducion à la modélisation des univers mythiques. Paris: L’espace bleu.

Ferreira-Santos, M. e Almeida, R. (2012). Aproximações ao imaginário: bússola de investigação poética. São Paulo: Képos.

Godinho, H. (2003). Imaginário e Literatura. En A.F. Araújo e F.P. Baptista (coord.), Variações sobre o imaginário: domínios, teorizações e práticas hermenêuticas (pp. 141-152). Lisboa: Instituto Piaget.

Guarnieri, I. L. (2014). Imaginário: convergências filosóficas e literárias. En F. B. Alves, T. M. R. Schoreder e A. T. M. P. Barros (orgs.), Diálogos com o Imaginário (pp. 143-158). Curitiba: Editora CRV.

Halbwachs, M. (2003). A memória coletiva. São Paulo: Centauro.

Huyssen, A. (2000). Seduzidos pela memória: arquitetura, monumentos, mídia. Rio de Janeiro: Aeroplano.

Laplatine, F. e Trindade, L. (1987). O que é o imaginário. São Paulo: Brasiliense.

Maffesoli, M. (1996). No fundo das aparências (2.ed.) Petrópolis: Vozes.

Maffesoli, M. (2001). O imaginário é uma realidade. Revista FAMECOS, Porto Alegre, (15), 74-82.

Maffesoli, M. (2007). O ritmo da vida: variações sobre o imaginário pós-moderno. Rio de Janeiro: Record.

Mardones, J. M. (2006). A vida do símbolo: a dimensão simbólica da religião. São Paulo: Paulinas.

Máximo, W. C. (2017). Tubarão e o imaginário de 1974: marcas simbólicas de um rio, vestígios de mitologias hídricas, a mitologização de uma catástrofe e os traços e os que identificam uma comunidade imaginada (Tese. Programa de Pós-Graduaão em Ciencias da Linguagem). Unisul, Tubarão.

Mello, A.M. L. (2002). Poesia e Imaginário. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Moraes, H. J. P.(2016). Sob a perspectiva do imaginário: os mitos como categoria dos estudos da cultura e da mídia. En G. B. Flores, N. R. M. Neckel e S. M. L. Gallo (orgs.), Análise de Discurso em Rede: cultura e mídia (pp. 137-152). Campinas: Pontes

Moraes, H. J. P. e Máximo, W. C. (2016). Recorrências e convergências do imaginário: o dilúvio mítico como matriz imaginal de identidade local após uma enchente. Cadernos de Comunicação, Santa Maria, 20(3), 182-191.

Mussi, A. B. I. (2015).(org). Rio Tubarão: no curso d’alma. Tubarão/SC: Editora Unisul.

Nogueira, M. A. L. (1998). A cidade imaginada ou o imaginário da cidade. História, Ciências, Saúde, Manguinhos, Rio de Janeiro, 5(1), 115-123.

Peres, L.M.V. (2014). A imaginação material de Gaston Bachelard e os quatro elementos como ciclos da vida: um viés de análise através de um filme. En F.B. Alves, T.M.R. Schoreder e A.T.M.P. Barros (orgs.), Diálogos com o Imaginário (pp. 13-27). Curitiba: CRV.

Pitta, D. P. R. (2005). Iniciação à teoria do imaginário de Gilbert Durand. Rio de Janeiro: Atlântica.

Pollak, M. (1992). Memória e Identidade Social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, 5(10), 200-2012.

Scandiucci, G. e Freitas, L. V. (2015). A psique no espaço: pertinência e imaginação de/no lugar. En S. M. P. Ribeiro e A. F. Araújo. (org). Paisagem, Imaginário e Narratividade (pp. 45-53). São Paulo: Zagodoni.

Silva, A. (2001). Imaginários urbanos. São Paulo, Bogotá: Perspectiva, Convênio Andes Bello.

Silva, J. M. (2017). Diferença e descobrimento. O que é o imaginário? (A hipótese do excedente de significação). Porto Alegre: Sulina.

Souza, M. G. (2006). Literatura oral e imaginário em perspectiva de expansão através do turismo cultural. II Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – ENECULT, UFBA, maio, Salvador BA.

Suguimoto, F. T.; Sandeville Jr., E. e Queiroga, E. F. (2015). A dimensão lúdica das paisagens partilhadas. En S. M. P. Ribeiro e A. F. Araújo. Paisagem, Imaginário e Narratividade (pp. 226-239). São Paulo: Zagodoni.




Copyright (c) 2019 CREATIVE COMMONS

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.

logo uvigo

imagonautas. Revista interdisciplinaria sobre imaginarios sociales. ISSN 0719-0166
http://imagonautas.webs.uvigo.gal/index.php/imagonautas/index

Licencia Creative Commons